sexta-feira, 7 de junho de 2013

GOSTO

“Gosto do chato, do feio, do desconhecido. Gosto do mistério, da ferida ardente, de quem mente. Gosto do que é e do que deixa de ser, do que vem e do que vai, do que deseja e depois não quer mais. Gosto do ruim, do péssimo, do inesquecível. Gosto de quem sonha com o fim, de quem se envolve com quem não está a fim, de quem corre de mim. Gosto de quem vê, de quem pega, de quem quebra. Gosto da morte, da falta de sorte, do soco forte.
Gosto de mim.”