sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Saudades

Saudades da época em que tudo era mais fácil e meus problemas eram tão pequenos que eu os transformava em gigantes.

Saudades de quando tudo era tão simples que a simplicidade se tornava chata e complicada.

Saudades de quando eu tinha medo de arriscar ou de me expressar. E de quando era ingênua e doce.

Saudades da minha cabeça no chão.

Saudades das faltas de tragédias ao meu redor.

Saudades de alguns rostos felizes que me acompanhavam.

Saudades, saudades e saudades.

Mas como tudo um dia chega ao final, o passado tem que ser colocado no lugar dele. E eu devo seguir em frente, mesmo com a saudade sufocando o meu peito.