domingo, 17 de março de 2013

Escasso

Há um certo vazio no asfalto da madrugada
Há um certo vazio nas folhas secas levadas pelo vento
Há um certo vazio entre tudo e nada
Há um certo vazio no tempo

Há um certo vazio nos olhos que lacrimejam sem parar
Há um certo vazio nos labios que brilham a sorrir
Há um vazio em todo lugar
Há vazio de ir e vir

Há vazio nas despedidas,
Há vazio nos reencontros,
Há vazio nas almas esquecidas,
Há vazio na dor,
Há vazio no amor,
Há vazio em todo lugar,
Há vazio que sangra sem parar

Há um certo vazio nas manhãs nubladas
Há um certo vazio em tardes ensolaradas
Há todo vazio nas lágrimas da atmosfera urbana
Há todo vazio nas almas desumanas

Há vazio no oficio,
Há vazio no indicio,
Há vazio em todo lugar.
A sangrar, a jorrar,
Há vazio em todo lugar.