quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Como uma bola de papel



“Como querer se não posso ter?
Como desejar se não posso amar?
Acordos foram feitos para serem quebrados
Agora os meus sentimentos estão todos desfigurados
Confusos e amassados
Como uma bola de papel
Sei que em breve você estará
Tão tão distante
E a minha razão anda tão pelejante
Que eu nunca mais serei eu
Nunca mais serei constante”